quinta-feira, 11 de março de 2010

"O REGRESSO DOS QUE NUNCA PARTIRAM"


São corpos andantes de brilho cintilante
São almas abertas de luz e liberdade
São espíritos nobres, inquietos
Que navegam na profunda saudade

Carregam amor como se fosse sina
Respiram brisas com narinas serenas
Dão de si o que nunca é sentido
Farejam espaço desconhecido
Quedam-se nos vales das suas penas

Sofrem a dor da sua ausência
De tudo que lhes é querido
Sofrem com outra referência
Não são de cá nem de lá
É a pena do eterno preterido

São ausentes bem presentes
Gastos pela serenidade
Têm sempre o pensamento
No recanto da sua saudade

Poema de: Paxiano

Sem comentários:

Publicar um comentário